Palavra pastoral semanal

O culto que Deus quer

"Eles vêm a ti, como o povo costuma vir, e se assentam diante de ti como meu povo, e ouvem as tuas palavras, mas não as põem por obra; pois, com a boca, professam muito amor, mas o coração só ambiciona lucro. Eis que tu és para eles como quem canta canções de amor, que tem voz suave e tange bem; porque ouvem as tuas palavras, mas não as põem por obra" Ezequiel 33.31-32

Meditando neste texto, pude perceber que ele retrata e muito, a nossa forma de culto hoje. Não é minha intenção aqui fazer críticas a quaisquer modelos de culto ou pessoas, mas sim, fazermos uma reflexão sobre nossa forma de cultuar a Deus.

Creio que esta abertura que se tem hoje em nosso país para o Evangelho, ao invés de nos ajudar acabou nos prejudicando. Por se ter liberdade, cada pessoa vive o Evangelho ao seu bel prazer, pouco se importando se a maneira como se vive e cultua a Deus está de acordo com os princípios da Palavra de Deus. Até nosso conceito sobre Deus, na maioria das vezes não está de acordo com aquilo que as Escrituras dizem a respeito dEle.

Somos pessoas acostumadas à informação, e esse é o grande problema, corremos o sério risco de estarmos bem informados a respeito de Deus, sem no entanto, conhece-lo realmente, termos um relacionamento com Ele.

Somos uma geração apaixonada, apaixonada por tudo, futebol, cinema, esportes em geral, escrevemos muito e cantamos sobre amor, que na maioria das vezes confundimos com desejo carnal. É tão fácil nos empolgarmos e cantarmos que amamos a Deus sem contudo nos submetermos a sua vontade e obedecermos a sua Palavra.

Queremos ser cristãos, desde que isso não exija de nós nenhum compromisso sério. É impossível sermos cristãos verdadeiros sem termos compromisso com Deus. Não existe Evangelho sem Cruz! O convite de Jesus é muito claro para quem quer ser seu discípulo: “Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me”. “E qualquer que não tomar a sua cruz e vier após mim não pode ser meu discípulo”. Mateus 16.24 e Lucas 14.27.

É necessário que além de cantarmos venhamos a praticar o que cantamos, que além de ouvirmos a Palavra, pratiquemos aquilo que temos ouvido. Fé sem ação não serve para nada. Precisamos “crer e agir”.

Fica aqui o desafio para que experimentemos o Evangelho em sua totalidade. Ao fazermos isso veremos que haverá uma transformação ao nosso redor. Somos surpreendidos a todo o momento quando as pesquisas apontam para o número de evangélicos em nossa nação, mas não vemos uma mudança nesta mesma proporção. A corrupção, os assassinatos, assaltos, sequestros, roubos e etc. não param de crescer. Isto obrigatoriamente nos leva a pensarmos sobre que tipo de evangelho estamos vivendo.

Oremos e peçamos a Deus que nos dê graça para uma mudança radical em nossa postura. Nosso país precisa de mudanças urgentes, somente haverá mudança em qualquer sistema quando o home mudar, e só quem pode mudar o homem é JESUS.

Se individualmente, começarmos a expressar Deus, verdadeiramente, não só seremos agentes de mudança como veremos isso se tornar realidade.

Missão

"Viver e fazer conhecido o amor incondicional de Deus”.

Texto Base: "Com amor eterno eu te amei; por isso, com benignidade te atraí" (Jeremias 31.3b).

Visão

Nosso encargo é viver e fazer conhecido o amor incondicional de Deus, edificando uma igreja de vencedores, onde cada membro é um discípulo e cada discípulo um líder compromissado, cada casa é uma extensão da igreja, conquistando nossa geração e a próxima para Cristo, através de células que se multiplicam uma vez ao ano, todos os anos.

Princípios/Valores

  • Cuidar, consolidar e treinar cada membro através do discipulado;
  • Edificar por encargo uma igreja de vencedores;
  • Cada membro é um discípulo e cada discípulo é um líder compromissado;
  • Cada casa é uma extensão da igreja;
  • Multiplicar as células uma vez ao ano, todos os anos.